Conheça a Amazônia !

Bem-Vindo à Amazônia

“A Amazônia, um mar de florestas num oceano de água doce, como bem notou Avé-Lallemant em seu livro Rio Amazonas, já em 1859, não é uma região homogênea como pode parecer do alto, durante o sobrevôo. A região é um caos de ilhas, um mosaico fluido de pequenos igarapés, rios colossais, pequenos lagos que brincam de esconde-esconde, lagos maiores que resistem ao desaparecimento na seca, águas de todas as cores, árvores de todos tamanhos, peixes de todas as formas, e um mundo sem fim oculto aos nossos olhos. Parece monótona a região para os menos atentos, mas não: ela é dinâmica - não apresenta nenhum dia igual ao outro. O sobe e desce das águas, o silêncio ensurdecedor que em algumas áreas recria sons esquecidos, o cair das árvores, o pôr-do-sol, o vento, a friagem, a chuva, a ilha que se move, as migrações dos homens e dos bichos, o abraço-da-morte, o peixe que” anda “ de um lago para outro, o peixe que morre afogado!, o tubarão que confunde o tipo de água, mas não sua imensidão, criam, a cada dia, um desenho novo para esse Eldorado que urge conhecer e está a demandar todo o cuidado da ciência.” (Adalberto Luis Val).”

 

 

 

 

 

Português, Brasil

História

O nome “Amazônia” tem origem na mística história do navegador espanhol Francisco Orellana, que em 1541, à procura do El Dorado, teria travado uma batalha com uma tribo de índias guerreiras, associadas então às Amazonas, nome dado ao estado da federação brasileira que hoje abriga o pólo industrial da Zona Franca de Manaus. Na língua indígena, Amazonas deriva da palavra amassunu, que quer dizer ruído das águas ou água que retumba.

No início do século XVII, incursões portuguesas começaram a infringir o Tratado de Tordesilhas, que demarcava a área do estado do Amazonas sob o domínio espanhol. Em 1750, com a assinatura do Tratado de Madri, Portugal assume a posse definitiva sobre a região. Em 1850, D.Pedro, então imperador do Brasil, criou a província do Amazonas. Manaus recebe o título de cidade 02 anos antes.

Com a chegada do século XX, surge o mais importante ciclo econômico da região, o Ciclo da Borracha. Foi um tempo de intensa imigração, principalmente das pessoas que fugiam da seca e da pobreza do sertão do nordeste brasileiro e se embrenhavam no interior da floresta na busca da seringa, mercadoria muito valiosa e de extrema abundância na região. Época de muito luxo, em que um pedaço da Europa foi trazido para Manaus nas edificações construídas, nos costumes dos estudantes que retornavam para suas famílias e nas intensas viagens de mercadores com seus familiares para o continente Europeu e vice-versa.

A falta de uma política protecionista deixou o produto e sua fonte ganharem o mundo. A seringueira foi levada para a Ásia, onde adaptou-se e onde foram desenvolvidas técnicas de produção com maior produtividade. O Amazonas sofreu então intensamente um declínio que durou quase meio século.

A solução veio com o surgimento da Zona Franca de Manaus, em 1967, atraindo investidores e indústrias para a cidade de Manaus, que voltou a crescer e hoje impulsiona todo o estado do Amazonas.